A Biodança

A_biodanca

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print

Conheci a Biodança em 1995 pela indicação de uma amiga. Na primeira aula percebi que aquele método oferecia oportunidades de reconhecimento e superação de bloqueios e limitações que eu precisava vencer. Utilizei este método como aluna por mais de sete anos e consegui vencer dificuldades relacionadas a timidez, expressão de emoções e sentimentos, e a capacidade de sentir prazer.

O Sistema BIODANZA foi criado e sistematizado por Rolando Toro e utiliza como metodologia a Vivência, que para Toro (2002) significa a consciência de estar vivo, aqui e agora, experienciando tudo o que ocorre comigo e ao meu redor. Segundo Toro (2002) é através das vivências, momentos em que experimentamos a vida intensamente, que podemos reconhecer e suprir nossas necessidades vitais, tais como: afeto, prazer, criação, respeito, força, entrega, êxtase.

O criador da Biodança dá extrema importância a vivência em sua metodologia porque elas mobilizam ao mesmo tempo nosso corpo, nossa mente e nossos sentimentos, o que nos possibilita nos reconhecer e nos transformar. Segundo ele, durante as vivências expressamos quem somos da maneira como estamos, o que nos possibilita reconhecer e mudar padrões de comportamento que nos impedem de ter uma vida mais satisfatória, tais como: a percepção do medo de tocar ou ser tocado; a dificuldade de entrega; o egoísmo; falta de vitalidade.

Os complexos celulares não são sistemas mecânicos, mas reagem a cada momento da vida de modo inovador e com uma coerência absoluta diante das transformações do ambiente externo. Este processo de adaptação e de integração é decididamente criativo… Se o ato de viver é uma sutil manifestação do prodigioso movimento de um universo biologicamente organizado e em criação permanente, a criatividade humana pode ser considerada uma extensão dessas formas biocósmicas que se exprimem por meio de cada indivíduo. Nós somos ao mesmo tempo a mensagem, a criatura e o criador. (TORO, p. 88, 2002)

Durante as sessões de Biodança, que duram em média 3 horas, os alunos têm a sua disposição um contexto propício para se conhecerem e se transformarem através das vivências que são evocadas pelas músicas, danças, toques, cheiros e outros estímulos que os conectam com os seus sentimentos, pensamentos e movimentos. A vivência, em Biodança, é deflagrada pela música, e pela emoção expressa no movimento que chamamos Dança, no sentido de Isadora Duncan (1969), como gesto espontâneo repleto de sentido e sentimento. E no sentido de Roger Garaudy (1989), dançamos nossa vida como fizeram todos os povos até hoje para celebrar, conectar-se com as forças incompreensíveis da Natureza, e até para chorar suas tristezas e seus mortos.

A Biodança também tem muitas limitações, principalmente para aqueles que buscam transcender os prazeres deste mundo. Este sistema é útil para aqueles que se sentem reprimidos por pressões externas ou internas e que não conseguem se expressar como gostariam.

Fiz a formação em Biodança e me tornei facilitadora em 2005, mantive um grupo por mais de quatro anos, de 2005 a 2008. Durante estes anos acompanhei meus alunos e aprofundei meus estudos sobre a metodologia. Fechei o grupo quando percebi que o método não oferecia os instrumentos necessários para trabalhar questões relacionadas ao desenvolvimento da espiritualidade dos participantes, o que se tornou prioridade em minha vida a partir de 2008.

Escrito por Silvana Medeiros