Pressão psicológica e dores na coluna

Pressao_psicologica

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print

Caso relatado no livro “Bioenergética”, autoria de Alexander Lowen.

Um rapaz cujas costas entraram num espasmo grave estava nos preparativos de sua mudança para m apartamento com a namorada. Durante dois dias estivera ocupado fazendo os pacotes e estava quase terminando quando se inclinou para pegar um livro e terminou dando entrada num hospital. A estória, conforme me contou quando fui vê-lo, era que estava em conflito a respeito de sua mudança. Seu relacionamento com a moça era bom, mas raramente livre de discussões, ciúmes e incertezas. Tinha sérias dúvidas a respeito de mudar-se e sentia-se pressionado a fazer a mudança a fim de manter o relacionamento. A natureza interveio e ele nunca se mudou. Sentiu que não podia “dar para trás” e, no entanto, foram suas costas que cederam. Acredito que fosse simplesmente isso. A tensão ficou insuportável e suas costas não agüentaram.

Outro caso envolvia uma atriz que participava de um show do qual queria retirar-se já há algum tempo. Não estava se dando bem com o diretor e com alguns membros do elenco. Além disso, estava muito perto da exaustão por causa dos inúmeros ensaios e horas extras. Queria sair mas não conseguia. Então fez aquilo que se poderia chamar de “passo em falso” e caiu abruptamente no chão. Saiu do show sobre uma maca, pois seu corpo simplesmente a havia deixado na mão. Também sobre o seu caso eu diria que a tensão estava insuportável.

A pessoa cujas costas entraram em espasmo enquanto dormia estava passando por uma pressão considerável naquela ocasião. No dia anterior, as costas tinham começado a incomodá-la. Havia corrido o dia todo, de uma tarefa para outra, mas observara que vacilava, não conseguia ficar em pés corretamente. Havia tido um ataque anterior que a havia posto na cama por uma semana e conhecia, portanto, os sintomas, mas, mesmo assim pensou: “Assim que eu terminar, vou para casa descansar, sair de cima dos pés”. Acabou o que tinha que fazer, foi para casa descansou um pouco, mas isto evidentemente não bastou. Quando o espasmo a atingiu, ficou sentindo-se mal durante uma semana.

Porque é que o espasmo acontece justamente na região inferior das costas? Por que é que esta área se mostra tão particularmente vulnerável a tensão? A resposta é que a parte de baixo das costas é o local onde se encontram duas forças contrárias para criar a tensão: uma é a gravidade, ao lado de todas as pressões que agem sobre a pessoa de cima para baixo (exigências das autoridades, culpas, deveres, cargas físicas e psicológicas). A outra é uma força de sentido ascendente que sobe pelas pernas e que sustenta a pessoa em pé na postura ereta, mantendo-a firme em face das exigências e obrigações que lhe são colocadas. Estas duas forças encontram-se na região lombossacral.