O que os sonhos revelam?

O_que_o_sonho_revelam

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on print
Print

Freud Jung explicam como os sonhos revelam nosso inconsciente, aspectos de nossa personalidade que negamos, que nos assustam, que despertam nosso interesse. O sonhos revelam o que precisamos saber, mas ainda não temos coragem de enfrentar as claras, a luz do sol e do consciente.

Devemos entender que os símbolos dos sonhos são, na sua maioria, manifestações de uma parte da psique que escapa ao controle do consciente. (Jung, O homem e seus simbolos, 2008, pag 78)

Somos seres naturais, com instintos que expressam reações, desejos e necessidades geralmente proibidos pela cultura em que nascemos, com um rígido esquema de regras para a vida em sociedade. Os conteúdos classificados impróprios pelo código de costumes em que fomos educados são compreendidos e aceitos por nossa mente consciente, que se ajusta para a vida coletiva. Contudo, nossos instintos primitivos continuam vivos e procuram maneiras de nos informar sobre os nosso desejos, medos, sonhos e necessidades íntimas.

Os sonhos revelam nossa natureza primeira, nossos desejos íntimos, que parecem sem sentido quando analisados pela nossa mente consciente repleta de conceitos e preconceitos apreendidos através da educação familiar, religiosa e social. Uma das funções do sonho é descrita por Jung como compensatória, nos ajudando a viver o que não conseguimos em nossa vida diária, por medo ou mecanismos de repressão.

Comumente projetamos nas outras pessoas sentimentos de apreço ou desprezo. Estas pessoas que despertam estes sentimentos de repulsa ou admiração estão revelando tendências interiores negadas por nosso consciente. Elas geralmente aparecem em nossos sonhos para nos mostrar aspectos da nossa personalidade que negamos, e que agradáveis ou desagradáveis precisam ser integrados e vivenciados, ao invés de negados. As doenças resultam dos conflitos que surgem entre as necessidades inconscientes e as escolhas conscientes.